Programa Corredor Azul, da Wetlands International, ressalta a importância dos serviços ecossistêmicos em workshop internacional

27/05/2019

À mesa estão, Áurea Garcia (PCA-Pantanal), Luiz Gustavo Santos (PPGEC), Nalvo Franco de Almeida Jr. (PROPP), Albert Schiaveto (INBIO), Rafael Guariento (PPGEC), Fábio Roque (UFMS) | Foto: Acervo PCA-Pantanal.
À mesa estão, Áurea Garcia (PCA-Pantanal), Luiz Gustavo Santos (PPGEC), Nalvo Franco de Almeida Jr. (PROPP), Albert Schiaveto (INBIO), Rafael Guariento (PPGEC), Fábio Roque (UFMS) | Foto: Acervo PCA-Pantanal.

De 27 e 29 de maio, acontece em Campo Grande (MS), o "Workshop Internacional sobre Transições Sustentáveis em Regiões Tropicais", realizado pelo Instituto de Biociências, por meio da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS) e pela University of Angers (França). Um dos parceiros locais é o Programa Corredor Azul (PCA), da Wetlands International.

O evento contará com a presença de experientes pesquisadores vindos da África do Sul, Zimbábue, França e Colômbia. Uma oportunidade para pesquisadores e representantes de entidades governamentais e não-governamentais, debaterem e mostrarem resultados de pesquisas voltadas às áreas de transição - onde ocorrem o encontro de culturas agrícolas e a vegetação nativa -, contrastando interfaces de áreas protegidas e não protegidas.

"Esse evento surgiu de uma parceria que já temos há algum tempo com pesquisadores da França, em projeto sobre como conciliar a produção de alimentos no mundo e a conservação da biodiversidade, com foco nas áreas neotropicais do planeta, basicamente em países do Hemisfério Sul", explica Fábio Roque, professor pesquisador da UFMS e colaborador do PCA.

Campo Grande foi escolhida sede por integrar a rede internacional que compõe o projeto CASEST - da sigla, em francês, para "Restrições Antropogênicas aos Sistemas Socioecológicos Tropicais" -, composto por três Projetos Ecológico de Longa Duração (PELD), sendo a versão brasileira, o PELD Planalto da Serra da Bodoquena - MS. Os demais estão localizados no Zimbábue e na África do Sul.

O projeto CASEST analisa as inter-relações entre a natureza e a sociedade, sobretudo a vida selvagem frente as práticas agrícolas em torno dos territórios delimitados. Tais estudos permitem compreender a dinâmica específica das áreas protegidas, diminuindo conflitos na gestão de políticas públicas e ressaltam os serviços ecossistêmicos necessários para a manutenção da biodiversidade.

O Programa Corredor Azul (PCA), da Wetlands International, apoia as ações desenvolvidas pelo CASEST no Pantanal. Corredor Azul é um programa implementado no Brasil pela Mupan - Mulheres em Ação no Pantanal e tem o objetivo de conectar pessoas, natureza e economias ao longo do Sistema Paraná-Paraguai de Áreas Úmidas. O PCA envolve três áreas focais - Esteros de Iberá e Delta do Paraná, na Argentina, e Pantanal, no Brasil. Conheça o Programa: www.corredorazulpantanal.org.